Caminhantes Noturnos

dragão na ponta dos dedos - facebook G.jpg

Receber uma dose de conforto, após o sobressalto causado pelo medo do escuro ou de um pesadelo, é também uma lição de confiança e amor

Diana Corso

- | <i>Crédito: Vida Simples Digital
– | Crédito: Vida Simples Digital

Por que as crianças vão para a cama dos pais e eles não conseguem tirá-las de lá? Essa pergunta é repetida à exaustão, inclusive por casais envergonhados desse pecado. Entre as explicações, há uma que pode lhes aliviar a culpa: à noite todos sentimos medo, e os pais se identificam com a ansiedade demonstrada pelos pequenos. Nunca me esqueci dos terrores noturnos que vivi na infância, das artimanhas tentado acordar meus pais, desde choros propositalmente audíveis até visitas à sua porta, onde nem sempre tinha coragem de bater. Houve uma fase em que tinha pânico de um calendário que ficava no corredor visível do meu quarto. Brinde de uma loja, sua imagem mostrava cores misturadas formando belos (de dia) conjuntos. Naquela mancha colorida, eu projetava faces, olhos, narizes. Meus monstros tinham caras humanas. Paralisada, eu mal ousava colocar um dedinho para fora das cobertas. Além do mais havia o terrível e enigmático espaço embaixo da cama. Imagine a coragem necessária para descer e mover-se até o quarto dos pais pedindo socorro. A cama de uma criança apavorada é como um barquinho rodeado de tubarões. Alguns desses pequenos marujos ainda dão-se ao trabalho de lançar-se às trevas levando consigo seu brinquedo preferido. Partir e deixar para trás seu urso de estimação seria uma covardia, além do que ele é um companheiro imprescindível na travessia.  Levei um bocado de tempo até conseguir dizer à minha mãe que tinha medo do calendário, que foi imediatamente removido. Obviamente para ser substituído por outro abrigo de monstros: como um cabideiro, ou a porta de um armário. Os pais acodem aos filhos aterrorizados porque lembram disso. É duro ser rigoroso com quem está em pânico. Some-se a isso que para os pequenos, assim como ocorre até para os adultos quando estão assustados, é difícil diferenciar entre o que se sonhou e a realidade. A noite não é fácil para ninguém, em época alguma da vida. É claro que dormir pode e deve ser repousante. Só que, por vezes, os olhos insistem em encontrar seus monstros na escuridão. Essas criaturas vivem de tocaia. Se convidadas pela imaginação, se lançarão sobre nós. Depois que crescemos já deu para entender que essas coisas são imaginação e a noite, uma tela em que se projetam nossos fantasmas. É como no cinema: a luz se apaga para que a fantasia se acenda. Há noites que são uma batalha contra aquelas ideias que gritam em silêncio, do tipo que se mastiga sem conseguir engolir. Elas são os monstros favoritos dos crescidos. Acredito que as tantas vezes em que não me acudiram forjaram a pouca coragem que tenho. Por outro lado, os aconchegos que recebi ensinaram-me a confiar, a continuar procurando-os nos braços de quem aprendi a amar.

DIANA CORSO é autora do livro Tomo Conta do Mundo – Conficções de uma Psicanalista

A Incapacidade de parar é uma forma de depressão: os domingos precisam de feriados

 Por: 

Não é comum ver a aceleração psicológica do mundo, ou melhor dizendo, das pessoas que fazem o mundo, como algo depressivo, mas o rabino brasileiro Nilton Bonder vê. Num texto intitulado “Os domingos precisam de feriados”, Bonder faz uma importante reflexão sobre a pausa, mostrando como ela faz parte da natureza – “a noite é pausa, o inverno é pausa, (…)” – e como pressupostos da cultura vigente que valoriza a aceleração e ocupação do tempo (como a conhecida crença: “quem tem tempo não é sério, quem não tem tempo é importante”) estão aloprando as pessoas e a vida que há nelas.

“Cuidado com a esterilidade de uma vida ocupada demais”, diz uma frase atribuída a Sócrates que circula no “território livre da Internet”. Bonder diz que, para o mundo (ou melhor, e de novo, para as pessoas que fazem o mundo, ou seja, nós), “funcionar 24 horas por dia parece não ser suficiente”, e observa que isso se estende para além dos dias chamados “úteis”, percebendo que “a pergunta que as pessoas se fazem no descanso é ‘o que vamos fazer hoje?’ – já marcada pela ansiedade.

A pausa, de certa maneira, não é só um mero intervalo entre ocupações (apesar de ser isso também), mas um resgate do momento real e uma cura da escravidão inconsciente ao tempo psicológico. “Toda negatividade é causada pelo acúmulo de tempo psicológico e pela negação do presente”, diz o autor Eckhart Tolle no seu clássico livro O Poder do Agora. “Desconforto, ansiedade, tensão, estresse, preocupação – todas formas de medo – são causados por muito futuro, e presença insuficiente. Culpa, arrependimento, ressentimento, tristeza e amargura, são todas formas de não-perdão causadas por tempo passado demais, e presença insuficiente”.

Bonder diz que “A prática espiritual deste milênio será viver as pausas”. Tolle certamente diria que é viver em presença.

Leia o texto de Nilton Bonder: “Os domingos precisam de feriados”

Toda sexta-feira à noite começa o shabat para a tradição judaica. Shabat é o conceito que propõe descanso ao final do ciclo semanal de produção, inspirado no descanso divino, no sétimo dia da Criação. Muito além de uma proposta trabalhista, entendemos a pausa como fundamental para a saúde de tudo o que é vivo. A noite é pausa, o inverno é pausa, mesmo a morte é pausa. Onde não há pausa, a vida lentamente se extingue.

Para um mundo no qual funcionar 24 horas por dia parece não ser suficiente, onde o meio ambiente e a terra imploram por uma folga, onde nós mesmos não suportamos mais a falta de tempo, descansar se torna uma necessidade do planeta. Hoje, o tempo de ‘pausa’ é preenchido por diversão e alienação. Lazer não é feito de descanso, mas de ocupações ‘para não nos ocuparmos’. A própria palavra entretenimento indica o desejo de não parar. E a incapacidade de parar é uma forma de depressão. O mundo está deprimido e a indústria do entretenimento cresce nessas condições. Nossas cidades se parecem cada vez mais com a Disneylândia. Longas filas para aproveitar experiências pouco interativas. Fim de dia com gosto de vazio. Um divertido que não é nem bom nem ruim. Dia pronto para ser esquecido, não fossem as fotos e a memória de uma expectativa frustrada que ninguém revela para não dar o gostinho ao próximo.

Entramos no milênio num mundo que é um grande shopping. A Internet e a televisão não dormem. Não há mais insônia solitária; solitário é quem dorme. As bolsas do Ocidente e do Oriente se revezam fazendo do ganhar e perder, das informações e dos rumores, atividade incessante. A CNN inventou um tempo linear que só pode parar no fim. Mas as paradas estão por toda a caminhada e por todo o processo. Sem acostamento, a vida parece fluir mais rápida e eficiente, mas ao custo fóbico de uma paisagem que passa. O futuro é tão rápido que se confunde com o presente. As montanhas estão com olheiras, os rios precisam de um bom banho, as cidades de uma cochilada, o mar de umas férias, o domingo de um feriado.

Nossos namorados querem ‘ficar’, trocando o ‘ser’ pelo ‘estar’. Saímos da escravidão do século XIX para o leasing do século XXI – um dia seremos nossos? Quem tem tempo não é sério, quem não tem tempo é importante. Nunca fizemos tanto e realizamos tão pouco. Nunca tantos fizeram tanto por tão poucos.

Parar não é interromper. Muitas vezes continuar é que é uma interrupção. O dia de não trabalhar não é o dia de se distrair – literalmente, ficar desatento. É um dia de atenção, de ser atencioso consigo e com sua vida. A pergunta que as pessoas se fazem no descanso é ‘o que vamos fazer hoje?’ – já marcada pela ansiedade. E sonhamos com uma longevidade de 120 anos, quando não sabemos o que fazer numa tarde de domingo.

Quem ganha tempo, por definição, perde. Quem mata tempo, fere-se mortalmente. É este o grande ‘radical livre’ que envelhece nossa alegria – o sonho de fazer do tempo uma mercadoria. Em tempos de novo milênio, vamos resgatar coisas que são milenares. A pausa é que traz a surpresa e não o que vem depois. A pausa é que dá sentido à caminhada. A prática espiritual deste milênio será viver as pausas. Não haverá maior sábio do que aquele que souber quando algo terminou e quando algo vai começar. Afinal, por que o Criador descansou? Talvez porque, mais difícil do que iniciar um processo do nada, seja dá-lo como concluído.

 

 

Sobre a autora deste blog:

Ane Caroline Janiro – Psicóloga clínica, idealizadora e editora do Psicologia Acessível.
CRP: 06/119556

“A incapacidade de parar é uma forma de depressão”: os domingos precisam de feriados

 

Como as Novas Frequências Cósmicas estão limpando os seres humanos

Terra de Luz peq.jpg
Texto de Carlos Torres
Escritor e mensageiro

O Sistema Solar já entrou no ano novo cósmico, o que chamamos de A Era de Ouro da Humanidade, a Era da constelação de Aquário, a constelação por onde o sistema solar está começando a passar e ficará nos próximos 2.160 anos. Esta é a nova Era que muitos previram e hoje é algo real e estamos vivenciando com toda intensidade.

Venho neste texto explanar sobre o momento atual que todos nós estamos passando. Não estamos passando somente por uma transição de Eras, da Era de Peixes para a Era de Aquario, estamos vivenciando também o amanhecer de um novo ano cósmico, o fechamento de um ciclo de Samsara, que dura 25.920 anos, o tempo que o sistema solar demora para dar a volta no centro da galáxia OM.

Este ciclo foi demonstrado no zodíaco de Dendera do Antigo Egito, o qual Napoleão Bonaparte roubou do sul do Egito e hoje se encontra no Museu do Louvre em Paris.

Pois bem, além de estarmos vivenciando tudo isso, há também um fluxo de luz imenso chegando do Sol Central, que chamamos de O Grande Pulso.

Este pulso de luz foi detectado pela Nasa em 2010 e divulgada a imagem. Segue abaixo.

Foto do telescopio Femmi da Nasa

Isso não é raio x, nem raio gamma, é sim luz espiritual, prana real, luz manásica púrpura violácia fluorescente que está vindo do centro da galáxia. Esta luz é a emissão energética do coração da via láctea.

Sim, a via láctea, como todas as galáxias, são células universais vivas e pulsam, elas não estão paradas, tudo vibra, tudo está vivo no Universo.

Portanto, o batimento do coração da galáxia acontece a cada 25.920 anos. Estamos vivendo esse pulsar, esse novo batimento. E com ele está chegando também, como acontece com os batimentos do nosso coração, que também pulsa, mas num ritmo bem mais rápido devido o tamanho do corpo. Visto que quanto maior o corpo, mais expassado é o batimento cardíaco.

Por exemplo: o coração de um ratinho bate mais rápido que o nosso, o coração de uma barata mais rápido ainda. No sentido contrário o coração de um elefante bate mais lento que dos seres humanos, o coração de uma baleia, mais lento ainda, o coração do planeta terra, mais lento ainda, pois ele também pulsa, tudo está vivo e pulsando.

Portanto, o sol também pulsa, porém, mais lento, e Sirius mais lento ainda. E o coração da via láctea, numa lentidão ainda maior e regida pelo tempo do não tempo. O tempo eterno do plano espiritual. Passado, presente e futuro, simultaneamente.

O que isso significa?

Que estamos dentro de uma macro mecanismo que funciona perfeitamente e tem ritmo.
Se tem ritmo, tem uma cadenciação, uma frequência, uma ressonância, um padrão vibracional.

O que estou querendo dizer é que esse pulso de luz que está vindo do centro da galáxia está trazendo novas frequências de cura e esclarecimento. Eu me abasteço das novas frequências de esclarecimento, novas filosofias e padrões de aprendizagem, porém, as frequências de cura estão chegando para arrebatar e limpar tudo e todos.

Por que?

Porque um novo padrão vibracional está se instalando e quem não estiver reconectado com isso, se sentirá mal, estranho, e não conseguirá compreender o que está se passando, e não conseguirá viver no novo ambiente que está se formando. Estou dizendo sobre ambiente vibracional, de consciência.

O que está mudando é o estado de consciência, mas também o tempo, pois com a chegada desta onda de luz, estamos sentindo o repuxo, a força de retração, como quando um tsunami está se aproximando no oceano e vemos as margens da praia se retraindo e sendo esvaziadas devido o refluxo da grande onda que está por vir.

Neste caso a grande onda que está por vir é uma onda de luz, isso está causando o repuxo de algo muito mais potente e invisível, o tempo. Por isso estamos sentindo que o dia não tem mais 24 horas como antigamente, mas sim 16 horas. Essa força ainda será maior e o dia se transformará em apenas 12 horas como sensação, ou seja, a metade do tempo. Porém, quando a grande onda passar, tudo volta ao estado natural.

Quero falar sobre as limpezas. Pois com a chegada dessas novas frequências, tudo está sendo, organizado e harmonizado. A limpeza deve ser feita, de qualquer forma ela será. Há muitas outras coisas que estão acontecendo devido ao grande pulso de luz, porém, vamos focar hoje somente neste quesito: a limpeza mental, psiquica e física.

Há uma necessidade de harmonização desta triade magistica, mente, corpo e espirito. Todos nós estamos passando por estas mudanças e transformações. Seja a limpeza fisca, mental ou psiquica.

Essas frequências tem como objetivo a cura, porém, pode parecer num primeiro momento que ela traz sofrimento. Mas como bem sabemos na linguagem hermética das escolas de mistérios do olho de horus do antigo Egito. O sofrimento não existe, o que existe é a cura, precisamos parar e compreender o que está sendo curado dentro de cada um de nós.

Sobre as 3 limpezas

Os mentores de Órion que me acompanham vieram esta noite para explicar o que está se passando, quero agora repassar a informação a vocês.

Todos estão sendo chamados para o novo fluxo de energia que está se instalando. Há muito ainda para sentirmos, este é apenas o início, e será maravilho. Não há medo, só há confiança e elevação neste processo. Mas num primeiro momento pode parecer dificultoso. Não se preocupem, persistam e não desistam.

São três tipos de limpeza a qual estamos sendo submetidos. Delas ramificam-se muitas outras. A limpeza mental está sendo feita de uma maneira, a limpeza espiritual e psiquica de outra e a limpeza fisica está sendo feita através do espurgo.

Essas limpezas são vibracionais, ninguém está fazendo, é a força vibracional que está fazendo, uma força quântica poderosa e transmutadora. Invisível, mas perceptível, como o vento.

Subimos numa montanha e não conseguimos ver o vento, mas podemos senti-lo. Não é? Assim está acontecendo com essas novas frequências. Não podemos vê-las, mas podemos senti-las mexendo em nossos corpos, nossas mentes e nossos espíritos. É tudo sutil, mas está forte e ficará cada dia mais intenso.

A limpeza mental, pela qual a maioria está passando, está funcionando da seguinte maneira: nossa mente é como uma caixa de brinquedos que está guardada, mas está toda bagunçada, ou uma gaveta cheia de documentos, fotos, cartas e registros, mas está toda bagunçada e desordenada, cheia de coisas que não servem mais, registros que não tem mais sentido algum para sua vida e precisam ser jogados fora.

O que acontece? Essa força está forçando você a abrir esta gaveta e jogar tudo no chão, para depois olhar assustado para a bagunça que foi criada e arrumar tudo, ver o que serve e o que não serve, e em seguida arrumar e organizar tudo.

No entanto, quando isso acontece, quando a mente é aberta e tudo vem a tona, a pessoa fica quase maluca. Ela precisa estar lúcida e consciente para fazer a limpeza. O autoconhecimento é essencial neste processo.

A limpeza psiquica está vindo através da emoções. A desilusão é a forma pela qual a natureza está agindo sobre você. Está desiludindo justamente para retirar todas as ilusões das pessoas. As ilusões são as grandes fontes de medo, sofrimento, discórdias e orgulhos.

Tudo isso precisa ser dissolvido, os processos de desilusão estão chegando para fazer esse trabalho, então não tenha medo de se desiludir com relacionamentos doentios, com trabalhos que não servem mais para você, com pessoas que estão indo embora da sua vida, com valores que estão sendo perdidos, com desejos que estão sendo dissolvidos e trocados por outros.

Enfim, deixe-se desiludir, mas tenha consciência que tudo está acontecendo para seu bem, para você entrar numa nova vida e deixar tudo o que velho para trás. Se não deixar o velho para trás de uma vez por todas, o novo não consegue entrar. Autorize, permita, renda-se.

A limpeza física vem através do expurgar, as doenças, os miasmas precisam sair de dentro de você de alguma forma. É enorme a força que a natureza está fazendo. O espurgo virá através de fortes infecções, tumores benignos, doenças autoimunes, nódulos, tosses acumulativas, espirros constantes, tudo com o objetivo de juntar e depois retirar de dentro de você o que não serve mais.

No início parece uma forte doença, mas depois perceberá que foi tudo um processo de cura e limpeza.
Não tenha medo, é tudo para o seu bem. Se você está procurando a cura, ela se manifesta. Já, se você não quiser mudar e ser curado, continuará vivendo confuso, iludido e repleto de doenças.

Eu sei que não está sendo fácil, pois já passei por todas essas fases.
Agora só tenho gratidão em meu coração.

Por favor, respeite os créditos ao compartilhar
DE CORAÇÃO A CORAÇÃO – http://www.decoracaoacoracao.blog.br
DE CORAÇÃO A CORAÇÃO – https://lecocq.wordpress.com
Fonte – Carlos Torres