De que queremos nos libertar?

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, céu, flor, atividades ao ar livre e natureza

A maioria dos meus clientes se sente esmagada por algo. (…)
Quando descrevemos nossa tristeza, ansiedade, decisões tortuosas, relações pesadas… nós poderíamos dizer “eu quero ser livre”.
Do que queremos nos libertar?
Do peso.
Da ruminação.
Do medo.
Da falta de segurança.
Da vigilância constante.
Tudo isso sentido no corpo e afetando cada parte de nossas vidas. (…)
A cura é um assunto complexo – existem muitos caminhos nessa direção.
Uma parte importante é permitir-se viver todos os seus sentimentos.
Provavelmente há pelo menos uma coisa que você não quer sentir. (…)
Você aprendeu de alguma forma, em algum lugar, a não mostrar esse sentimento. (…)
Muitas vezes, nem sabemos que o sentimento está lá.
Nós simplesmente sabemos que estamos presos.
Quando diminuímos a velocidade e rastreamos nossos sentimentos, geralmente podemos sentir um pequeno obstáculo no caminho.
Podemos sentir o momento em que escolhemos pular por cima ou contornar o sentimento que não queremos sentir, a favor de um caminho mais conhecido.
Você pode imaginar isto como um cano entupido. Abrir um sentimento permite que a água flua livremente de novo. Vai ser fedorento, mas necessário.
Sentimentos em movimento são saudáveis.
Não é fácil – os sentimentos são difíceis de suportar – mas você terá muita energia. Muito acesso a você mesmo.
Você será um sistema respiratório vivo.
Começar é a parte mais difícil. (…)
Esta pode ser uma das coisas muito poderosas num processo de terapia.
É um lugar onde o que você está escondendo pode aparecer para você. Pode ser a única maneira de você enxergar que há algo mais nesse imenso mar que é você.
Se você não mexer nisso, poderá acreditar que não há opção – você é o que é, e não tem jeito. (…)
A terapia é um lugar onde você pode fazer uma escolha diferente.
Você pode considerar a possibilidade de sentir o sentimento proibido, pensar o pensamento proibido, vivenciar a memória perigosa – é um lugar onde algo novo pode acontecer.
E, a partir dessa novidade, podemos nos transformar. Fisicamente, emocionalmente, mentalmente, espiritualmente.
Muitas conversas.
Muitos acontecimentos.
Muita abertura.
Eu nem acredito no quanto me sinto energizado.

___ Alison Crosthwait

Fotografia: Elizabeth Gadd

Anúncios